Idioma

Simples dicas sobre a ferramenta básica do profissional: o idioma.

jan 232015
 

Um compilado de informações sobre nosso país:   Veja Também:SABSESP e a ilegalidade da multa pelo aumento no consumo de água A complexidade do ser humano… (crônica)Consertar iluminação pública agora é reponsabilidade das prefeiturasPrisão Preventiva X Prisão TemporáriaJulgado que merece ser lido e apreciado – esperança na humanidade

jun 042013
 

Mais uma do português, leu no jornal daquele dia: Ferrari fica destruída após colisão em São Paulo. Comenta nosso amigo português: -Mas como,  o carro colidiu e somente depois ficou destruída! Por certo o socorro prestado foi uma porcaria, ou talvez o dono tenha ficado com raiva e destruído o carro. Seu Jorge, sem entender nosso amigo português, pede explicação: -Ora seu Jorge, se o carro sofreu uma colisão e somente depois (após) é que ficou destruído, sinal de o [… leia mais]

fev 222012
 
Concordância nominal com "Zero"

Recebi algumas revistas hoje e na capa de uma delas, em letras garrafais: “Com o novo projeto de sustentabilidade consguimos energia derrubando zero árvores…” Zero árvores? Intrigante uso do idioma, como se trata de uma revista que prima pela qualidade, voltemos aos livros didáticos, em especial na concordância nomimal. De fato há erro na chamada da revista, zero obriga que a palavra seguinte vá para o singular, nada mais lógico, pois se estamos falando do “nada”, não há como se [… leia mais]

fev 182012
 
Ripchip - o rato.

Relendo “As Crônicas de Nárnia” reencontrei o personagem Ripchip. Na infância pouco me chamou a atenção, preferia Aslam, Pedro-O Grande Rei e outros. Nesta releitura Ripchip é o que mais traz humanidade à história, mesmo sendo um rato. Falante, cortês, armado com espada e, principalmente: Honrado. Na história do “Peregrino da Alvorada”, pela qual o Eustáquio Mísero realiza sua jornada do herói, passando de um acanhado e inútil rabugento a um cavaleiro da mais alta estirpe na corte de Caspian [… leia mais]

nov 272011
 
Facebook e educação, exposição...

Nos meus tempos antigos ter acesso a um computador era muito raro. Pesquisas de escola eram na biblioteca mesmo e, impressionante, naqueles cadernos antigos que as meninas colocavam uma pergunta em cada folha e passavam para os amigos responderem, o “facebook” do passado, não se encontravam baboseiras como hoje nas redes digitais. A informação disponível em abundância nada, nada mesmo, parece auxiliar. Em redes sociais a exposição de nossa educação de péssima qualidade, também pelo desinteresse dos alunos deixemos bem [… leia mais]